1. Skip to Menu
  2. Skip to Content
  3. Skip to Footer>

CALI: 2 de Março de 2016 - 17H

No Estúdio POPULARFM

popularfm_cali06

CALI

2 de Março de 2016 - 17H

Nós as Mulheres com Cristina Santos e Susana Roldão


Cali não é um estreante nas lides musicais. Nascido em Luanda, mas a residir em Portugal desde os nove anos, estreou-se na música por influência de Lancelot, seu irmão e uma referência incontornável na cena do Hip Hop português. Foi em Odivelas, cidade onde reside que começou a dar os primeiros passos como rapper e, em 2002, fundou com os amigos o colectivo KGB.

Anos mais tarde, conhece Jey Vachiya. Juntos formaram a dupla Flow 212 que, em 2009, viu o single "Ritmo do meu flow" tornar-se um hino nas pistas de dança nacionais e internacionais. "Agora ou Nunca" (Vidisco, 2009), o álbum de estreia, conta com participações de peso como Angélico Vieira (D'ZRT), Demo (Expensive Soul), TT, Berg e Lancelot, e revela um Cali confortável em registos tão diferentes como o House, o Kuduro, o R&B e, incontornavelmente, o Rap.

Com o projecto Flow 212, Cali viu o seu trabalho ser distinguido pela Rádio Nova Era, com o galardão para o "Melhor Nacional". Ocupou os lugares cimeiros de algumas das mais importantes tabelas musicais (Top 40 da Cidade FM, Hit List da MTV Portugal e Dance Floor Chart da MTV Europa) e tornou-se presença assídua em programas televisivos (RTP, TVI, SIC RADICAL, TPA, AFRO Chanel), enquanto percorria Portugal e além-fronteiras, em digressão.

Dando resposta a todos aqueles que o interrogavam acerca da possibilidade de afirmar-se a solo, Cali lançou "Moulin Rouge". Com a participação da ex-Nonstop Liliana e integrado na colectânea "Summer Jam 2010" (Vidisco, 2010), o single depressa entrou em rodagem na MTV Portugal, RTP, TPA, TV Zimbo, Afro Chanel e MTV Base, constituindo mais um sucesso na carreira de Cali.

Sucesso é, de facto, a palavra que melhor descreve o seu percurso artístico. Paris, Lyon, Amesterdão, Zurique, Nêuchatel, Lausanne e Luanda são algumas das cidades por onde passou, a título individual, às quais se juntam as dezenas de concertos em território nacional. A participação no festival "Latin Village", um dos mais importantes festivais de música em solo holandês, e a actuação na primeira edição do torneio AND1, em Angola, são dois dos feitos de que mais se orgulha.

Antes de lançar o seu primeiro trabalho a solo, previsto para o primeiro semestre de 2012, Cali tem-se desdobrado em colaborações. Colaborou com a dupla de luso-descendentes G-Nose e Nelinho no remix de "Freshkinha", um êxito no seio das comunidades de emigrantes, e, mais recentemente, com Gasolina em "Vou-te bater" e Villa Cara em "Tou a gostá", incluídos na colectânea "Vem dançar Kuduro" (Vidisco, 2011), e com Vlado, uma promessa do Hip Hop angolano, em "Holla at you boy".

Fonte: Facebook Oficial do Artista

LAURA: 1 de Março de 2016 - 15h

No Estúdio POPULARFM

popularfm_laura06

LAURA

1 de Março de 2016 - 15H

Virados para Merca com Nuno Merca


Laura Azenha, mais conhecida por Laura, nasceu a 20 de Julho de 1993, em Lisboa.
A sua ligação com a música começou praticamente desde que nasceu, dado que a família teve sempre uma ligação especial com esta área.A avó materna cantava e tocava piano, a avó paterna também cantava o fado de Coimbra, o pai e a tia tocam assiduamente piano e acordeão, a mãe canta, o tio é compositor e professor de música e, também, a irmã Leonor toca piano e, mais recentemente, guitarra.

Aos seis anos, iniciou o estudo da música na Orquestra Metropolitana de Lisboa, onde começou com aulas de violino e Formação Musical. Posteriormente, frequentou a Escola de Música Nossa Senhora do Cabo, onde aprendeu piano. Participou, também, em alguns projectos corais, como o Projecto Vocalizze, e frequentou um Curso Intensivo de Teatro Musical, tendo feito o Exame da Trinity College London School.
Aos dezassete anos, começou a dedicar-se, em especial, ao canto.

Foi através da associação GASTagus, quando se preparava para ir em missão para Moçambique, que, ao planear um concerto de Jazz para angariação de fundos, teve a sorte de conhecer e convidar o guitarrista João Ferreira, que, entretanto, já ouvira a tocar no Youtube.

Terminada a missão, bem como a sua licenciatura em Gestão, Laura começou a dedicar-se ao seu projecto de originais.
Com o apoio do guitarrista e compositor João Ferreira, desenvolveu os treze temas que compõem o seu trabalho de estreia.
Actualmente com 22 anos, Laura, cantora, compositora e letrista, decidiu apostar no seu primeiro trabalho a solo - Kill Them With Kindness.
A sua música revivalista remonta aos anos 40 a 80 com temas que evocam o romance, a sedução, o amor e o desamor e valorizam o poder da mulher confiante na sociedade.
O seu primeiro single - Kill Them With Kindness - resulta do calor do soul, fundido com o funk e alguns laivos de jazz, blues e R&B, combinados com um swing mais moderno.
As principais influências para o seu projecto foram artistas como Amy Winehouse, Cee lo green, Ottis Redding, Al Green, Etta James, Jill Scott, entre outros.

Entusiasta e determinada, Laura sonha com a boa recepção do público.

ÁTOA: 29 de Fevereiro de 2016 - 15h30

No Estúdio POPULARFM

popularfm_atoa06

ÁTOA

29 de Fevereiro de 2016 - 15h30

Virados para Merca com Nuno Merca

 

"Chamam-se ÁTOA porque no início foi assim, tudo era um pouco à toa:
formaram uma banda do nada, faziam músicas quando lhes apetecia e não tinham grandes objectivos. São 4 grandes amigos de 19 anos, são de Évora e hoje a realidade mudou: têm dois objectivos - fazer boa música cantada em português e agradar ao público.

Dizem que as suas músicas são como um espelho que reflecte a maneira de ser dos 4 amigos e as suas vivências do dia-a-dia. E dizem que são mais do que uma banda, mais do que um grupo de amigos. São uma família!

Tudo começou quando eram ainda crianças. O Guilherme (voz, guitarra, piano) e o João (guitarra, voz, piano) conheceram-se com 6 anos e andaram quase sempre na mesma escola. Desde muito cedo descobriram que partilhavam o mesmo gosto pela música, começaram a juntar-se para tocar e produzir as suas primeiras composições. 
Depois do ensino básico voltam a estudar juntos no Conservatório Eborae Música em Évora, e o gosto pela música e pela composição cresce.
Já no conservatório conhecem Rodrigo (bateria, percussão, voz, piano).
Chegam à conclusão de que precisam de um baterista para dar mais corpo às músicas e convidam Rodrigo para tocar com eles.
As coisas funcionam tão bem que se apercebem que pode estar ali o início de uma banda. Está na hora de encontrar um baixista e convidam Mário (baixo, guitarra), colega do João desde o ensino secundário.

Mário é o único autodidacta da banda, conta que aprendeu a tocar de luzes apagadas para decorar o braço da guitarra. Guilherme estudou piano no conservatório, aprendeu a tocar guitarra por curiosidade, e hoje toca piano, guitarra e ukelele, para além do belíssimo instrumento que é a sua voz. João aprendeu a tocar piano e guitarra nos 3 anos que estudou no conservatório, surpreendentemente tocou durante 1 ano numa casa de fados em Évora. Depois decidiu vir estudar para Lisboa, tal como Rodrigo, que após atingir o 5º grau do conservatório de Évora entrou na Escola Profissional Metropolitana em Lisboa, onde estuda percussão.

Com a banda completa compõem cada vez mais, e em apenas 4 meses têm mais de 10 canções concluídas. A composição é partilhada pelos 4, enquanto a escrita fica ao cuidado do Guilherme e do João.
Decidem gravar duas canções na sala de ensaios e colocá-las no YouTube. 

João toma conhecimento da existência do Tradiio, uma plataforma digital onde os artistas podem colocar as suas músicas e o público pode investir nas suas composições favoritas através de moedas virtuais.
Convence os ÁTOA a disponibilizarem no Tradiio as músicas ‘Falar a Dois’ e ‘Distância’.
Começam então uma campanha digital, através da página oficial do Facebook e das páginas pessoais de cada um, com o objectivo de conseguir ganhar o desafio do Tradiio.
O prémio do desafio seria a gravação de um vídeo ao vivo. E ganharam! 

Mas não ganharam só o desafio e a gravação do video. O Tradiio tem uma parceria com a Universal Music através da qual, todos os meses, a Universal propõe a um dos 50 melhores classificados da plataforma a distribuição digital de um single.

No processo de escolha, a Universal deparou-se com os ÁTOA e imediatamente percebeu o potencial da banda, a frescura e o talento existente naquelas duas composições disponíveis na plataforma.
A Universal pediu para ouvir mais, e os ÁTOA apresentaram ao vivo e sem rede mais de 10 canções que convenceram de forma inequívoca. 
Desde esse momento até à assinatura do contrato decorreram escassas semanas.

Os ÁTOA encontram as suas maiores referências e influências na pop cantada em português, quase unanimemente referem Miguel Araújo, Tiago Bettencourt, António Zambujo e os Azeitonas como fonte de inspiração. O Mário, o roqueiro de serviço, refere os Ornatos Violeta e Diabo na Cruz.

Os ÁTOA desejam que o público se identifique com as suas músicas e com cada um deles, que sintam que fazem parte daquelas histórias. Desejam poder continuar a compor por muito tempo e que de alguma forma possam deixar uma marca na música portuguesa. 
São de Évora, e infelizmente Évora não tem uma grande história na música profissional portuguesa, por isso anseiam por se cruzarem com músicos profissionais. Anseiam ouvir as suas histórias, partilhar as deles, aprender. Anseiam pela estrada, por dar concertos. Sonham com concertos sempre em festa, com todo o público a cantar e a interagir com a banda, com o publico a fazer parte desta família de amigos. Sonham… como todos os rapazes de 18 anos."

Fonte: Facebook oficial da banda.

ROBERTO LEAL: 26 de Fevereiro de 2016 - 16h

No Estúdio POPULARFM

popularfm_robertoleal06

ROBERTO LEAL

26 de Fevereiro de 2016 - 16H

Nós as Mulheres com Cristina Santos e Susana Roldão


No ano em que se comemoram 45 anos de carreira, Roberto Leal está de volta com um dos álbuns mais populares da sua vida.

Este é o novo cd “Arrebenta a Festa”, marcado pelo regresso às origens com a sonoridade da verdadeira música popular / tradicional portuguesa, que Roberto Lealtem defendido ao longo de todos esses anos.

A primeira surpresa neste álbum é a participação do amigo Quim Barreiros no single de estreia. É sem dúvida de “Arrebentar” qualquer “Festa”.

“Após 45 anos de carreira, já cantei Portugal de todas as maneiras. Já cantei as saudades e a tristeza da partida de cada imigrante, cumprindo a mesma trajetória de cada português por este mundo. Mas também já cantei as alegrias e as festas de um povo que insiste em ter esperança, de um povo que abre o seu coração e explode de alegria, bastando o estopim do toque de uma concertina, uma caneca de bom tinto, nos serões regados a recordações da Pátria e dos amigos distantes.

"Arrebenta a Festa" é o resumo de uma obra, de uma vida, é o desenrolar da história do Roberto Leal.

Please update your Flash Player to view content.
Please update your Flash Player to view content.
Please update your Flash Player to view content.